sexta-feira, 23 de abril de 2010

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DO AMOR






DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DO AMOR

Considerando ser o Amor o maior de todos os agentes de Utilidade Pública,

PROCLAMA-SE O QUE SEGUE:


Artigo 1º O amor pode apropriar-se de todo e qualquer coração, com ou sem anuência do dono.

Artigo 2º Em presença de sentimentos inferiores, tais como a raiva, o ódio e o ressentimento, ao Amor é permitido julgá-los e extraditá-los sem direito à reconsideração da pena.

Artigo 3º O Amor deve ser respeitado em todas as suas formas, sejam elas dirigidas a pessoas, coisas, vegetais ou animais.

Artigo 4º Ao Amor é sempre permitida a companhia do perdão, pois que sem este Ele está falsificado.

Artigo 5º O Amor tem o direito de ficar cego, surdo e mudo quando em presença de maledicências e pode apresentar-se como agente de paz diante de desarmonias e atos prejudiciais a todos os seres do Planeta.

Artigo 6º O Amor tem licença plena para manifestar-se livremente, independente de raça, credo ou religião. Ele é incondicionalmente livre para viver em seu habitat natural: o coração.

Artigo 7º O Amor é bússola que aponta o caminho para a Felicidade e assim deve ser indiscutivelmente reconhecido.

Artigo 8º A todo aquele que banir o Amor do seu coração será imputada a pena de solidão, isolamento e sofrimento perpétuos.

Artigo 9º O Amor nunca deverá ser responsabilizado por dores, perdas ou danos e tem amplos poderes para neutralizar todas as batalhas, sejam elas emocionais, familiares ou sociais.

Artigo 10 Ao Amor não se aplicam Leis Trabalhistas: Ele pode exercer suas funções 24hrs por dia durante TODOS os dias do ano.

Artigo 11 Quando o Amor entra em corações, deve ser bem recebido, bem tratado, bem nutrido e absolutamente livre para agir em prol de todos os envolvidos por Ele.

Artigo 12 Em nenhuma hipótese o Amor deverá ser álibi para atitudes de más intenções, tais como usá-Lo como desculpa para enganar, iludir ou controlar corações.Também nunca poderá ser instrumento de brincadeira com o sentimento do (a) companheiro (a). [1]

Artigo 13 Toda e qualquer tentativa de matar o Amor será tratada pelo Universo como crime contra a vida do próprio mandante.

Artigo 14 O Amor é partidário da Lei de Causa e Efeito: Ele pode partir em definitivo da Vida daqueles que optam pelo sofrimento diante das adversidades, e também daqueles que se deixam cair em abandono.

Artigo 15 Ao Amor nada deve ser acrescentado e Dele também nada retirado, posto ser o mais perfeito de todos os sentimentos e manifestação absoluta de Deus.

Parágrafo Único: Os Direitos do Amor sempre protegerão os legítimos Direitos de Todos os Seres.

= Revoguem-se todas as disposições em contrário =

® Silvia Schmidt


[1] Aqui fiz uma pequena alteração, posto que o amor existe independentemente da opção sexual de quem ama.






3 comentários:

FERNANDINHA & POEMAS disse...

QUERIDA RENATA, BELOS OS TEUS DIREITOS DE AMOR... FIQUEI FASCINADA AO LER...LINDO PRÍNCESA...!
ABRAÇOS DE CARINHO E AMIZADE,
FERNANDINHA

Daniel Costa disse...

Renata

Toda a gente tem direito a amar, segundo os direitos, n´~o direi de não ser assim mesmo. Podem decretar-se direitos, é bonito mas o amorvterá limites
Beijos
Daniel

Maria disse...

Querida amiga, que lindo texto o amor tudo vence e como dizia Camões:

"Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;"

Obrigado pelas suas visitas, doces mensagens e amizade e hoje um especial obrigado para o presentinho que me ofereceu, já o coloquei no meu cantinho, é divinal.

"A gente não faz amigos, reconhece-os." (Vinícius de Moraes)

Tenha um excelente fim de semana.
Bjs do tamanho do infinito
Maria