terça-feira, 25 de março de 2014

HINO



HINO
Jorge Luis Borges

Esta manhã
há no ar a incrível fragrância
das rosas do Paraíso.
Nas margens do Eufrates
Adão descobre a frescura da água.
Uma chuva de ouro cai do céu;
é o amor de Zeus.
Salta do mar um peixe
e um homem de Agrigento se recordará
de que foi esse peixe.
Na caverna cujo nome será Altamira
uma mão sem rosto traça a curva
do lombo de um bisão.
A lenta mão de Virgílio acaricia
a seda que trouxeram
do reino do Imperador Amarelo
as caravanas e as naves.
O primeiro rouxinol canta na Hungria.
Jesus vê na moeda o perfil de César.
Pitágoras revela aos seus gregos
que a forma do tempo é a do círculo.
Numa ilha do Oceano
os cães de prata perseguem os veados
de ouro.
Numa bigorna forjam a espada
que será fiel a Sigurd.
Whitman canta em Manhattan.
Homero nasce em sete cidades.
Uma donzela acaba de cativar
o unicórnio branco.
Todo o passado volta qual onda
e essas antigas coisas retornam
porque a mulher te beijou.

Tradução de Renata Cordeiro