segunda-feira, 31 de março de 2014

SONETO



SONETO

Arder em viva chama, gelar logo,
mesclar fúnebre queixa e doce canto,
equivocar o riso com o pranto,
não saber distinguir neve nem fogo.

Confiança e temor, ânsia e sossego,
alento do espírito e quebranto,
efeito natural, força de encanto,
ver que estou vendo e contemplar-me cego;

a razão livre, presa esta vontade,
querer e não querer a qualquer hora,
pouquíssimo valor, muita vaidade;

oposição que esta alma sabe e ignora,
é o meu amor, Mársia, majestade.
Perguntais quem o causa? Vós, Senhora.

Eugenio Gerardo Lobo (1679-1750)
Tradução de Renata Cordeiro