terça-feira, 29 de abril de 2014

A CRISTALIZAÇÃO DO AMOR

         
   

 A CRISTALIZAÇÃO DO AMOR

           

Em Salzburgo, lança-se, nas profundezas das minas, um ramo de árvore desfolhado pelo inverno; dois ou três meses depois, ele é retirado, coberto de cristalizações brilhantes: os galhos menores, que não são mais grossos do que a pata de um chapim, estão enfeitados de uma infinidade de diamantes, móveis e resplandecentes; não é mais possível reconhecer o ramo primitivo.
O que eu chamo de cristalização é a operação do espírito que descobre em todas as coisas novas perfeições do ser amado.
                                                                                      (DO AMOR)

Henri Beyle – Stendhal (1783-1799)

Tradução de Renata Cordeiro