quinta-feira, 10 de abril de 2014

TORNA-SE A NOITE OBSCURECIDA













TORNA-SE A NOITE OBSCURECIDA

Torna-se a noite obscurecida,
Vem o vento violento;
Mas detém-me o encantamento,
E é-me impossível a partida.

Curvam-se árvores colossais,
     Sob neve, o galho a se abrir,
       São rápidos vendavais,
Mas eu não posso inda partir.

A nuvem sobre mim revolve,
Sob os meus pés, não há vida;
O lúgubre não me move;
É-me impossível a partida.

Emily J. Brontë (1818-1848)
Tradução de Renata Cordeiro