quinta-feira, 29 de maio de 2014

EIS QUE DORMEM...



EIS QUE DORMEM...

Eis que dormem na tumba estas paixões
e este sonho do nada;
é loucura do dolorido espírito,
ou um verme que eu tenho nas entranhas?
Eu sei apenas que é prazer que dói,
que é dor que atormentando só afaga,
chama que só da vida se alimenta,
mas sem a qual a vida então se apaga. [...]

ROSALÍA DE CASTRO (1837-1885)
Tradução de Renata Cordeiro